Bem Vindo ao Super Web

Para poder ter acesso e participar por completo do fórum
Você precisa se cadastrar

Atenciosamente
Administração

Mudamos de Endereço! Visite agora mesmo
a nossa nova página na web:


www.interativo.forumeiros.net

    Cidades do interior têm internet gratuita no Brasil

    Compartilhe
    avatar
    ~Lucas~
    Administrador
    Administrador

    Sexo : Masculino
    Mensagens : 850
    Pontos : 1960
    Reputação : 13
    Data de nascimento : 11/07/1995
    Localização : Super Web
    Emprego/lazer : Estudante, Designer
    Humor : Normal
    Idade : 22
    Data de inscrição : 19/07/2009
    Mozilla 3

    Cidades do interior têm internet gratuita no Brasil

    Mensagem por ~Lucas~ em Qua Ago 26, 2009 12:23 pm

    Cidades do interior têm internet gratuita no Brasil



    FELIPE BÄCHTOLD
    da Agência Folha




    Em Mâncio Lima, cidade do Acre, na fronteira com o Peru, apenas 5% dos
    habitantes recebem água encanada em casa. Mas o morador que tiver um
    computador pode acessar a internet de graça pelo sistema sem fio
    instalado pela prefeitura no mês de maio.


    Assim como o município de 13 mil habitantes do Acre, prefeituras de
    todo o país, especialmente de pequenas cidades, vêm se mobilizando para
    instalar sistemas gratuitos de internet para a população.


    Fred Chalub/Folha Imagem
    "Vila do Doce", em Ribeirão Pires, na Grande SP,
    possui sinal gratuito de internet; município tem população de 107 mil
    habitantes

    A implantação do sistema já havia causado polêmica em grandes cidades
    na campanha eleitoral do ano passado, quando candidatos como Marta
    Suplicy (PT), em São Paulo, chegaram a prometer o acesso universal e
    gratuito à internet.


    Em três cidades, os prefeitos aproveitaram as festas de aniversário
    do município para lançar os sistemas. Em Jaboticabal (SP), a prefeitura
    diz já ter investido R$ 1 milhão no sistema nos últimos quatro anos.
    Poços de Caldas (MG) gastou R$ 315 mil com o projeto.


    Em Parintins (AM), de 102 mil habitantes e famosa por seu festival
    folclórico, a prefeitura instalou antenas em praças que permitem o
    acesso.


    Segundo a administração municipal, a novidade atrai usuários com
    notebooks ao local. "Diariamente, umas 50 pessoas sentam na praça,
    levam suas cadeiras. Tem gente que começa a acessar às 7h da noite e
    sai às 3h da manhã", diz Francisco Neto, coordenador do projeto. O
    mesmo ocorre em Manacapuru, também no Amazonas.


    A prefeitura de Parintins gastou R$ 7.000 na importação de cada
    antena que possibilita o acesso. A mesma quantia foi paga em Mâncio
    Lima. Segundo a chefe de gabinete, Maria Ivete Pinheiro, havia muita
    demanda por internet na cidade.


    Em parte das cidades, há restrições para conteúdos considerados
    inadequados, como sites eróticos. Rio Verde (GO), que iniciou o serviço
    no início do mês, veta o download ilegal de músicas e filmes.


    PUBLICIDADE

    Para o sociólogo Sérgio Amadeu, que é doutor pela USP e pesquisa
    inclusão digital, o modelo adotado pelas prefeituras no Brasil é
    adequado para pequenas cidades. Ele afirma que, em levantamento com
    municípios que adotaram o sistema, mais moradores acabaram comprando
    computadores.


    Diz ainda que, em cidades carentes, a implantação da internet
    gratuita "é uma forma de romper a reprodução da miséria" e pode gerar
    empregos.


    Subutilizado


    Pouca gente parece saber, mas quem vai à praça central de Ribeirão
    Pires, na Grande São Paulo, pode acessar a internet sem pagar nada. O
    local, conhecido como "Vila do Doce", com cafés e bares, é uma espécie
    de ponto de encontro da cidade. E com conexão gratuita à rede.


    A prefeitura do município, de 107 mil habitantes, investiu R$ 140
    mil para inaugurar no ano passado o ponto de acesso. O vendedor André
    Rodrigues, 30, trabalha nas proximidades da vila e se acostumou a
    aproveitar a conexão livre em seu BlackBerry. "Facilita. Se precisar,
    [a qualquer hora] dá para mandar um e-mail", diz. Ele reclama que a
    rede é instável e, às vezes, não é detectada.


    Parte dos comerciantes e funcionários que trabalham na praça, porém,
    desconhecem a existência do sistema. A Folha esteve na praça na tarde
    da última sexta-feira e não havia moradores aproveitando o acesso à
    internet.


    Questionadas pela reportagem, a Anatel (Agência Nacional de
    Telecomunicações) e o Ministério das Comunicações disseram que não
    tinham como informar quantas cidades já lançaram esse tipo de serviço
    em todo o país.


    Em Tibagi (PR), o prefeito Sinval Silva (PMDB) diz que a ideia de
    implantar o acesso à rede é auxiliar quem não tem dinheiro para pagar
    provedor.


    "O cidadão pode comprar o computador. Para ele ter um sinal, precisa
    ter um telefone fixo. Somando, ele vai ter que pagar R$ 150 por mês
    para a companhia telefônica. Nós queremos fornecer isso gratuitamente.
    E ele vai utilizar os R$ 150 para fazer outra coisa, até para pagar a
    prestação do computador."


    Nos EUA


    Cercada de polêmica, a implantação de sistemas de acesso gratuito de
    internet nos Estados Unidos não foi bem-sucedida em algumas cidades.


    Em San Francisco, Chicago e na Filadélfia, problemas nas parcerias
    privadas que sustentavam os projetos nos últimos anos acabaram
    provocando o fim da experiência.


    O modelo é criticado por representar uma ação estatal em uma área
    tradicionalmente regida pela iniciativa privada. Os defensores da
    política dizem que ela beneficia localidades que não seriam atendidas
    pelo sistema convencional.


    _________________


    Spoiler:
    Presente do Sony


    Estou mais inativo ultimamente

      Data/hora atual: Qui Jul 27, 2017 5:29 am